Benvindo, Bienvenido, Welcome, Bienvenue, Wilkomen, 歓迎, приветствовать, الترحيب, 歡迎, Benvenuto, Καλώς ήρθες

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Puxadinhos x modernidade!

Capacidade do Aeroporto de VG alcança 2,4 milhões

Imagem postada
Foi inaugurado na tarde desta quarta (30) o Módulo Operacional Provisório (MOP) do Aeroporto Marechal Rondon. Para a sua construção, foram investidos R$ 2,2 milhões e a nova estrutura vai permitir o atendimento de 2,4 milhões de pessoas por ano. Antes do MOP, a capacidade era de 1,7 milhão de passageiros por ano/ano. A nova ala do aeroporto tem ao todo 675 m² e entra em operação com duas novas esteiras de 15m cada uma. A estrutura que começou ser construída em julho deste ano tem como desafio proporcionar mais celeridade ao desembarque de passageiros, área considerada a mais crítica do Aeroporto. Segundo o governador do Estado, Silval Barbosa (PMDB) esta, é a primeira parte da reforma e ampliação que será feita no Aeroporto. “É uma parte importante e que trará mais conforto e comodidade aos passageiros”, pontuou o governador. O presidente da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), Antonio Gustavo Matos do Vale, explica que as obras do aeroporto foram divididas em etapas, sendo que o próximo passo prevê o alargamento da pista de desembarque, que deverá ter 23 metros de largura, área exclusiva para voos internacionais, oito novos boxes, quatro novas esteiras e mais uma para desembarque internacional. “As obras desta segunda etapa devem começar no primeiro trimestre de 2012 e o término está previsto para setembro de 2013”, explicou Vale. Ao final desta segunda etapa de obras, que está orçada em R$ 87,5 milhões, o Aeroporto terá a capacidade para atender 5,7 milhões de passageiros/ano.
Comentários: Brasil, o país do improviso ou da modernidade? A julgar pelos módulos operacionais "provisórios" - permanentes construídos em alguns aeroportos do Brasil ficaria com a segunda opção. Realmente, os módulos são bastante funcionais, mas é interessante como eles saíram numa velocidade impressionante, dígna de países modernos. Por causa das obras "emergenciais", o dinheiro para estas construções saíram rapidamente, enquanto os terminais definitivos patinam na corrupção e no descaso. Quando o Brasil se propos a receber a Copa de 2014 e 2016 a proposta também era de receber os visitantes num clima de modernidade, mostrando as mudanças ocorridas por aqui. Pelo andar dos processos, vamos apenas reforçar o imaginário de nossos visitantes, de país do jeitinho. Estava imaginando os comentários "Nossa! Eles deram um jeito nos aeroportos!"
Postar um comentário