Benvindo, Bienvenido, Welcome, Bienvenue, Wilkomen, 歓迎, приветствовать, الترحيب, 歡迎, Benvenuto, Καλώς ήρθες

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Curiosidades da Amazônia: doce, fruto e raiz!

Neste post de "Curiosidades da Amazônia", algumas peculiaridades dos sabores e nomes que aparecem pela região:

Brigadeiro Eduardo Gomes, que dá nome ao Aeroporto Internacional de Manaus: liderou a criação do Correio Aéreo Nacional e é patrono da Força Aérea Brasileira, mas seus conhecimentos mais doces marcaram a culinária nacional. Na 2º Guerra Mundial, o Brasil teve um recionamento de alimentos, como açúcar, leite e ovos. Neste período, o "brigadeiro" descobriu o resultado da mistura de leite condensado, manteiga e chocolate - o brigadeiro. Da próxima vez que visitar Manaus, no Amazonas, ao chegar no aeroporto Eduardo Gomes, imagine quanto desta doçura já passou pela sua vida.

Rainha Elizabeth II e o bacuri: o fruto tipicamente amazônico fez sucesso em uma visita da rainha ao Brasil em 1968. Depois de um dia inteiro de visitas pelo Rio de Janeiro, a rainha parou na famosa Confeitaria Colombo para se refrescar com um delicioso sorvete de bacuri. Gostou tanto que na bagagem de volta levou várias latas de polpa da fruta.

Bacuri nos banquetes oficiais: possui "gosto de flor", dizia o Barão do Rio Branco que, na época que estava a frente do Itamaraty, mandou acrescentar ao cardápio oficial;

Mandioca: pão de pobre, inhame, macaxeira, aipim... entre outros... são os nomes populares da "Manihoc utilissima", nome científico dado a um dos mais versáteis alimentos da mesa brasileira, bastante útil até o nome ;). Na Amazônia, aproveita-se até o suco da raiz, chamado de tucupi, em caldos que vão com o pato, no tacacá e se faz até uma espécie de bebida alcóolica, a partir da fermentação do suco. Da raiz também se faz uma farinha branca que parece pipoca, a de tapioca. Impressionado, Pero Vaz de Caminha escreveu na carta de Achamento do Brasil o seguinte: Eles não lavram, nem criam. Não há aqui boi, nem vaca, nem cabra, nem ovelha, nem galinha, nem qualquer outra alimária, que costumada seja a viver com homens. Nem comem senão deste inhame, que aqui há muito. 
Postar um comentário