Benvindo, Bienvenido, Welcome, Bienvenue, Wilkomen, 歓迎, приветствовать, الترحيب, 歡迎, Benvenuto, Καλώς ήρθες

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Compartilhando a leitura: Fordlândia!

Caros leitores, há alguns meses atrás compartilhei com vocês uma dica de leitura: Fordlândia. O livro conta a saga de Henry Ford na Amazônia. Após a leitura, entre a rica narrativa e as dezenas de curiosidades deste período histórico, alguns destaques (meus comentários em negrito):
- O olho norte americano no Brasil: "os brasileiros compreensivelmente se irritaram quando Al Gore disse recentemente que "contrariamente àquilo que pensam os brasileiros, a Amazônia não é propriedade deles; ela pertencem a todos nós". Durante a Segunda Guerra Mundial, Nelson Rockefeller recomendou a construção de uma séria de grandes canais conectando o delta do rio Orinoco, na Venezuela, ao Amazonas. ... E em 1965, o futurólogo Herbert Kahn, fundador do conservador Hudson Institute, recomendou que os Estados Unidos represassem o Amazonas para geração de energia; Não é de hoje que muitos brasileiros alegam interesses internacionais na Amazônia;

- Rev. 30 - Embora os revolucionários fossem nacionalistas e, portanto, suspeitassem do capital estrangeiro, também eram modernizadores e hostis aos oligarcas regionais que governavam cada estado como se fosse seu feudo pessoal; Essas referências são, especificamente, ao estado do Pará. Trazendo o cotexto para os dias atuais, pergunto-me: na proposta de divisão do estado do Pará e na criação dos novos estados a partir da constituição de 1988 haveria paralelo com este momento histórico? Claro que sim, observo a política regional, com quase nenhuma exceção, muitos estados amazônicos viraram feudos de famílias que se alternam no poder com a "proposta da mudança", mantendo a população no mesmo estado vegetativo. Uma última pergunta: quais os interesses dos grupos políticos na atual proposta de divisão do estado do Pará? Parte da resposta esta em Fordlândia!

- Sobre o desenvolvimento industrial e a vida Ford dizia: A menos que entendamos melhor a proção mecânica da vida, não teremos tempo para aproveitar as árvores, os pássaros, as flores e os campos verdes";

- Seringueiras e fábricas: Johnston se esforçou para usar o mesmo controle da fábrica sobre a plantação... Mas logo admitiu problema na matemática, uma vez que o ritmo de plantação das seringueiras estava sujeitos a condições mais incontroláveis - o mau tempo em particular - do que o ritmo em uma linha de montagem; Viver e trabalhar na Amazônia exigem adaptabilidade. Parece que muitas pessoas que vem para a região ainda não aprenderam isso muito bem. Já foi comprovado que 50% das chuvas que caem sobre a floresta vem dela mesmo, ou seja, água reciclada por meio da evapotranspiração das plantas, mas muito fazendeiros acham que não e desmatam áreas inteiras. Hoje, muitas áreas do sul e sudeste do Pará possuem estiagens (períodos sem chuva) mais prolongados, prejudicando o gado e as plantações. Bem... de onde vem o problema?

- Os elementos amazônicos: ... seu barco foi virando por uma tormenta no (rio) Tapajós, do tipo que surge de repente e provoca vagas oceânicas; A narrativa é de amendrontar, mas formações rápidas de chuva provocadas pela alta umidade e calor, de final da tarde e/ou início na noite, podem realmente desafiar até os mais bem preparados;

- Depois de Vargas, um governo após o outro criou agências e anunciou novos esquemas para modernizar rapidamente a região, para atingir "cinquenta aos em cinco", nas palavras de um dos sucessores de Vargas, ou "enviar pessoas sem terra" a "uma terra sem pessoas", como o governo militar dos anos 1960 descreveu no plano de colonização. Em sua maioria, esses erforços fracassariam em seus próprios termos - isto é, não trouxeram desenvolvimento sustentável para a região. Mas aceleraram o desmatamento, iniciando aquilo que William Woodsworth poderia ter chamado de "assalto precipitado" à maior floresta tropical intacta que existia no planeta;

- Parques da Disney: Walt Disney visitou a Fordlândia em 1941, o que depois resultou em um vídeo, na qual Fordlância, Belém, Manaus e Iquitos aparecem como grandes cidades da região: The Amazon Awakens. Parte desta experiência de Disney foi retratada em um de seus parques temáticos, no qual, entre muitas atrações, na Terra da Aventura existia um barco que proporcionava um cruzeiro pela selva, cujo nome era Amazon Belle; Não consegui confirmar a existência ou não desta atração e em qual parque estaria.
Aguardo as impressões de vocês também!    
Postar um comentário