Benvindo, Bienvenido, Welcome, Bienvenue, Wilkomen, 歓迎, приветствовать, الترحيب, 歡迎, Benvenuto, Καλώς ήρθες

terça-feira, 25 de maio de 2010

Acordo áereo entre o Brasil e a União Européia

Um acordo assinado agora há pouco, no hotel Sheraton, no Rio de Janeiro, vai modificar profundamente as relações, no âmbito da aviação civil, entre o Brasil e a União Europeia (UE). A assinatura ocorreu durante a Cúpula União Europeia – América Latina da Aviação Civil, que prossegue até amanhã (quarta, dia 26).
O ministro da Defesa, Nelson Jobim, o vice-presidente da Comissão Europeia (órgão executivo da UE), Siim Kallas, e o ministro dos Transportes da Espanha – país que ocupa atualmente a presidência da UE –, José Blanco, firmaram o acordo, que terá validade a partir de 14 de julho.
Pelo lado brasileiro, o documento permitirá às aéreas brasileiras utilizarem o espaço aéreo da EU como um todo, não mais por país. Dessa forma, as empresas poderão criar e comercializar rotas até então inexistentes. Por exemplo, uma companhia poderá fazer um voo de São Paulo (GRU) para Paris (França) e de lá seguir para Frankfurt (Alemanha), podendo vender o trecho “doméstico” europeu. “Isso equivale à abertura do mercado da União Europeia para o Brasil”, resumiu o ministro Jobim, na coletiva de imprensa logo após a assinatura do documento.
“O mesmo vale para as empresas da União Europeia”, explicou Jobim. Pelo acordo, as empresas passam a ser vistas não por país, mas como originárias da UE. Assim, uma companhia alemã poderá solicitar rotas para o Brasil partindo da França, da Espanha ou de Portugal, por exemplo.
“O Brasil detém 36% do tráfego aéreo entre as duas regiões – o maior da América Latina –, com 4,4 milhões de passageiros transportados nos dois sentidos”, disse o ministro Jobim. “Há 198 voos semanais entre o Brasil e sete países europeus da EU; são números ínfimos, temos de ampliá-los”, destacou. “Temos de aprofundar ainda mais os canais de negócios e o trânsito de turistas”, finalizou ele.
Comentários: nada como uma boa concorrência, esperemos colher frutos em breve, pois o aumento de tráfego, com queda de tarifas, trará novos usuários ao sistema. Mas uma pergunda, e os nossos aeroportos?
Fonte: Panrotas, http://www.panrotas.com.br/
Postar um comentário